domingo, 27 de março de 2011

Fringe 3x18: Bloodline


“Fringe atingiu verdadeiramente o auge da criatividade e se diferenciou como um dos shows mais originais da televisão. A série conta com habilidosos produtores, elenco e equipe espantosamente talentosos, assim como os fãs mais apaixonados e leais no planeta, que tornaram possível a renovação para a 4ª temporada. Quando mudamos Fringe para a sexta-feira, nós pedimos que os fãs seguissem a série e eles seguiram. Estamos muito empolgados em trazer mais uma temporada completa de Fringe e manter a série parte da família FOX.”


Kevin Reilly, presidente da FOX, finalmente admitindo o que todos nós já sabíamos ao anunciar a tão esperada renovação de Fringe. Agora, ainda em ritmo de comemoração (e botem comemoração nisso), vamos ao episódio.

Se você está lendo esse texto é porque é um grande fã de Fringe ou pelo menos, acompanha a série com regularidade. Por isso mesmo, acredito que não vá se importar com minhas poucas linhas de festa. Impossível descrever meu nível de felicidade na quinta-feira, quando a renovação foi anunciada por um dos produtores da série via twitter.

Sei lá. Nem parecia de verdade. Era como estar numa realidade paralela onde tudo dá certo, mas era a nossa realidade. E uma realidade muito boa. Fringe foi renovada. Fringe terá uma 4ª temporada, com 22 episódios. Isso significa que vocês terão de me aturar por pelo menos mais um ano e que ainda teremos muito tempo para falar de nossa série favorita. Não sei se nosso pensamento positivo e a campanha #SaveFringe surtiram algum efeito, mas cá entre nós, eu gosto de pensar que sim.

Para melhorar a situação, outra notícia ótima. Fringe subiu 15% na audiência americana em comparação com a semana passada. A série fez 3.9 milhões e 1.5 na demo. Tem como melhorar? Pois depois de assistir a esse episódio cheio de surpresas, eu digo que tem.

Nunca eu seria capaz de imaginar o que aconteceria nesse retorno ao Lado B. Esperei muito por esse momento, afinal, a curiosidade sobre a gravidez de Bolivia me corroia. Os produtores e roteiristas nos manipularam direitinho. Jogaram a bomba e nos deixaram no escuro, completamente. Depois de nos fazerem sofrer, retomam o assunto de forma completamente inesperada e pisam no acelerador, literalmente.

O bom de uma série de Ficção Científica é justamente as brincadeiras com o impossível. Aliás, nem tão impossível assim, já que o assunto da gravidez acelerada já havia surgido antes, em ‘The Same Old Story’ que é, vejam bem, o segundo episódio da primeira temporada, provando mais uma vez que o planejamento de Fringe ou o aproveitamento de referências na série é absolutamente impecável. Há, inclusive, uma cena em que Olívia aparece com a barriga em crescimento progressivo, mas dessa vez, foi Bolívia a encarar esse pesadelo.

Pesadelo porque essa gravidez tinha tudo para dar errado. Bolívia poderia ter morrido por conta da Eclampsia. Vale lembrar que mesmo que essa seja uma condição real, esse tipo “Viral Propagatório” só existe mesmo na ficção e nós, mulheres, agradecemos imensamente. Pelo menos para mim, esse “caso da semana” foi absolutamente um choque. Não esperava essa resolução para já, mas assim que Bolivia foi seqüestrada eu tive apenas um suspeito na cabeça e ele não poderia ser outro, senão Walternativo.

É engraçado como eu fico dividida diante das atitudes dele, mesmo que dessa vez ele tenha deixado claro que a vida de Bolívia era apenas um detalhe para ele. Se ela não sobrevivesse talvez fosse até mais cômodo para o vovô feliz. Quando penso no que ele foi capaz de fazer para evitar que o neto (ainda sem nome) não nascesse fico assustada, simplesmente porque não sei se ele agiu friamente ou com o coração. Não dá para definir. Os planos e intenções de Walternativo nunca foram tão nebulosos e impossíveis de adivinhar.

Lincoln e Charlie começam a perceber isso e talvez as mentiras e omissões do Secretário de Defesa se voltem contra ele próprio, mas enquanto isso não acontece, Lincoln se declara para Bolivia e Charlie, quem diria, está se encontrando com a Bug-Girl.

Henry, que se revelou uma forte presença na Season Premiere dessa temporada retorna mais uma vez para fazer o parto de Bolivia. Embora eu goste muito do personagem, sou obrigada a criticar a cena do nascimento. Tenho a impressão de que esse é o maior desafio na TV, já que é raro que consigam entregar uma cena realista. Bolivia estava com aquela calça legging estranha para começar e bastou levantar as pernas, fazendo muito pouca força, para “cuspir” um menino sem sangue nenhum. Chega a ser ridículo capricharem tanto nos efeitos especiais da gravidez para, em seguida, estragarem tudo.

Agora, o que mais me deixa intrigada é descobrir a reação de Peter quando tomar conhecimento dessa história. Já pensaram em como essa criança vai afetar a relação dele com Olivia? Como Walter vai lidar com o fato de ser, de certa forma, o outro avô (e para mim, o legítimo) do bebê? Tudo isso nos leva ao Glyph Code da semana, Fated. O significado é simples: predestinado, fadado. Minha interpretação é a mais óbvia possível. A de que o nascimento desse menino estava destinado a acontecer, com ou sem a intervenção de Walternativo, mas nunca saberemos de verdade.



Para você, desligadinho, que não viu o Observador, seguem as fotos do danado. Duas aparições bem difíceis de notar, não é mesmo? Quase não consigo enxergá-lo sozinha, tanto em frente à casa de Bolivia, quanto no hospital, dizendo que “está acontecendo”. Muito medo do que isso quer dizer.






Como temos muitas referências, decidi deixá-las por último. Já falei do lance da gravidez acelerada mais no inicio, mas vale reparar nas cores que vestem o filho de Bolivia: vermelho e azul. Coincidência? E se você quer saber a data do nascimento, ela aparece no papel com o teste do pezinho: 14 de Fevereiro de 2011. Vale lembrar que 14/02 é conhecido como o Valentine’s Day.

Outra coisa que tem chamado muito a atenção nos fóruns é a constante presença da cor amarela, o que indicaria a existência de um 3º universo. Loucura ou não, as cenas de Chinatown são repletas de amarelo e Walternativo presenteia Bolivia com flores na mesma cor. Vamos esperar para ver se as suspeitas se confirmam.

Interessante notar que no lado B, a série ‘The West Wing’ teve muito mais sucesso e já está em sua 12ª temporada. O anúncio está no teto do táxi de Henry. Provavelmente os fãs da série dariam tudo para ir ao lado B arrumar os boxes da série para ver como ela continua.

No começo do episódio, em frente ao prédio de Bolívia, também é possível ver um carro doubledecker, coisa que não existe no lado A. E já que estamos falando em veículos, Charlie faz referência ao filme Taxi Driver, de Francis Ford Coppola. Quer dizer, isso, lá no universo paralelo, porque do nosso lado, o filme é de Martin Scorsese.

Os quadrinhos que Henry lê dentro do táxi -Opus the Peahen - também já apareceram no lado A com outro título ‘Opus the Penquin’. Para nosso alívio mental, a revista mostra que pelo menos algo continua igual nos dois universos: a loucura de Lindsay Lohan, que é citada em um dos diálogos da HQ. Pelo menos essa piada ambos os mundos podem compartilhar.

Comentários
9 Comentários

9 comentários:

Anônimo disse...

Que review PERFEITA, você simplesmente arrasou! Parabéns. e OMG essa história da cor amarela ,um 3º universo, a abertura amarela haushau, vamos aguardar p/ ver, eu iria amar! como será a COlívia?rs

E eu tinha lembrado exatamente do episódio 2 da gravidez acelerada, e passei a pensar que talvez os eventos do "Padrão" fossem todos programados por Walternativo p/ testar no nosso lado e por em prática aperfeiçoado no Lado B.

Kléber Mota de Oliveira disse...

Boa review, como sempre. Em relação a aceleração da gravidez, fiquei meio que com uma convicção de que o bebê teria recebido cortexiphan. vou ver o episodio de novo com mais calma pra ver continuo com essa certeza, pois se for isso mesmo, talvez essa ação entraria em choque com as palavras do walternativo no inicio do episodio, para o técnico (que nunca lembro o nome).

Sofia disse...

Camis, to apaixonada por sua review! Nao tenho nadinha pra acrescentar, e olha que vc sabe que escrevo um monte toda vez kkkkkkkkkk.

Vou só deixar a vergonha de mostrar meu lado fangirl de lado e te passar o link do meu tumblr, era para ser um mini blog com fotos e videos de series e seus shippers mas acabou virando só de Fringe kkkkkkkkkkk.

Tem gráficos incríveis de Fringe lá, os fãs fazem coisas mto profissionais
http://seriesotp.tumblr.com/

Gabriel Dias disse...

Camis, você deveria se juntar a equipe de roteiristas de "Fringe". A riqueza de detalhes das suas reviews é incrível.

Parabéns! Adoro o seu trabalho ; ]

Gabriel Dias disse...

A proósito, que zoação essa fotos dos observadores. Putz... kkkk

Só cego que não vê.

karolll disse...

Tenho que comentar assisto o episódio e fico na ansiedade pensando como será o review da semana!!!
esse epis. da semana foi muito bom!
suspeitei logo do walternativo mas ao passar do tempo disse pra mim "não não pode ser" e não é que foi!!! loka!!!;p Fringe faz dessas coisas cmg...
tb preciso comentar q a cena do parto foi tosca....;p e parabéns....review da semana...muito boa mesmo!!!! ;p

Dav1d disse...

A cena de Taxi Driver foi genial, ri demais com a referência e queria ver Poderoso Chefão, do Martin Scorsese(Por que não?). Não tinha reparado em West Wing, mas quero encomendar os DVDs das temporadas que faltam ;)

George disse...

Camis, fiquei meio incomodado com esse episódio de Fringe, e já explico por quê. Antes, gostaria de elogiar seu texto, pois consegue tornar o episódio melhor do que penso que realmente foi. Vamos ao motivos.

Achei o início e o fim do episódio excelentes, mas o meio dele achei terrível, exceto por um detalhe do qual palarei mais tarde.

No início, realmente acreditei no Walternativo, ou seja, que ele não queria fazer experiências com crianças, e desconfiei de cara de seu ajudante. O fato de alguém ter "vazado" o protocolo de localização corroborou para essa suspeita. Essa caracterização ambígua do Walternativo foi excelente.

Minhas crítica ao episódio. Primeiro: toda aquela coisa da pré-eclâmpsia viral foi muito forçado. Parece que lançaram aquilo no roteiro pois tinham que preencher o episódio com um drama - se drama familiar, melhor ainda. Segundo ponto ruim: o pessoal do Fringe Division acreditar tão fácil no taxista. Francamente, gosto do personagem, mas a participação dele nesse episídio, incluindo a terrível cena do parto, ruim.

A exceção foi toda as dúvidas dos agente Lincon e Charlie em relação às reais motivações do Waltermate.

O desfecho do episódio foi bom. Me surpreendeu.

Abraços

Flávia disse...

Sou só eu que estou apaixonada pelo Lee do mundo alternativo??? Tô com peninha dele, duas Olívias apaixonadas pelo Peter e nenhuma por ele...
Sério agora, essa série só melhora. A decisão de resolver a gravidez e o nascimento do filho da Bolívia em apenas um episódio foi corajosa e absolutamente perfeita.
Já dei pulos pela casa com a renovação!