quinta-feira, 28 de abril de 2011

Glee 2x18: Born This Way


Glee goes Gaga. Ou quase isso.

Antes de começar a falar o quanto eu gostei desse episódio de Glee, preciso compartilhar uma impressão. Desde que anunciaram um episódio mais longo e “dedicado” à Lady Gaga, muita gente começou a reclamar e fazer mimimi, porque afinal, já tivemos um episódio nesse tema (lembram de Theatricality?) e não me parece que seja necessário repetir homenagens dessa maneira. O problema é que essa mesma impressão que eu tive foi a de muitos outros fãs e a associação de Glee ao nome de Lady Gaga acabou virando uma coisa negativa, piorando muito com anúncio de um episódio mais longo.

A grande questão aqui é o episódio foi vendido de maneira completamente equivocada. Essa não foi uma homenagem à Lady Gaga, os produtores apenas aproveitaram a nova música da cantora, que deu título ao episódio, para tratar do tema central da série. Vale dizer que fizeram isso com muito talento e, pelo menos para mim, assistir a “Born This Way” foi uma experiência agradabilíssima, do começo ao fim.

Não sou capaz de apontar um momento sequer de aborrecimento ou algum defeito do roteiro. Gostei de tudo, me diverti bastante com as histórias e com as músicas, me emocionei. Foi um episódio completo, com energia boa e (obrigada Senhor!) canções bem escolhidas.

De verdade, amei cada uma das músicas. As performances se encaixaram tão bem no tema que estou impressionada. Conseguiram pegar cada detalhe, cada piada recorrente na série e usar para uma “lição de vida” cheia de humor. Finn não sabe dançar? Vamos colocá-lo ao lado de Mike Chang, que não sabe cantar. Falam do nariz de Lea Michelle? Vamos discutir estética e transformá-la numa Quinn morena. Eu acho tudo isso muito bem sacado. E ainda tem pessoas que querem que Glee se leve a sério e seja “mais inteligente”. Provavelmente não prestaram a menor atenção ao trabalho realizado pelos roteiristas, que às vezes erram sim (não dá para negar), como acontece em todas as séries que estão no ar.

Partindo dessas características especiais e que diferenciam cada pessoa, Glee mais uma vez colocou o Bullying em pauta e ninguém ficou de fora, no meio da história surreal que foi a competição pelo título de Rainha do Baile. Quinn – transformada na versão High School de Betty, A Feia - e Lauren nem imaginavam que a competição de verdade era Santana, que foi destaque total como Libanesa. Um dia, eu juro, Brittany me mata com essas tiradas.

O retorno de Kurt, porém, era o momento mais esperado. Foi bacana vê-lo com os Warblers, mas seu potencial vocal ficava em segundo plano. Mesmo assim, achei uma graça a despedida dele dos meninos rouxinóis e mais ainda seu solo estilo Broadway. Porém, preciso avisar desde já que não confio na mudança de Karofsky. Essa história não vai acabar bem.

A menção do caso Barbra Streisand coube como uma luva para Rachel e ainda teve Flash Mob no Shopping. Deu até vontade de dançar junto. Outro debate muito bom foi sobre TOC. De fato, as manias de polir uvas e frutas em geral parecem engraçadas, mas devem ser uma prisão emocional para Emma. Também gostei muito de ver o pessoal assumindo seus defeitos e vestindo a camisa. Ri muito com o “queixo de bunda” do Mr. Schuester e com a lembrança do Trouty Mouth de Sam. A camiseta de Brittany é tão genial que dispensa comentários.


P.S* O episódio teve 1h30? Nem senti passar.

P.S² Ainda não consegui escolher só um do meu baú de defeitos ( talvez Boca Suja, pelo tanto de palavrão que eu falo), mas e vocês? Que camiseta vestiriam?



Músicas no Episódio:

"I’ve Gotta Be Me” - Sammy Davis Jr.: Finn (Cory Monteith)

"I Feel Pretty/Unpretty” - West Side Story / TLC: Rachel (Lea Michele) e Quinn (Dianna Agron)

"Somewhere Only We Know" - Keane: Dalton Academy Warblers e New Directions

"As If We Never Said Goodbye" - Sunset Boulevard: Kurt (Chris Colfer)

"Born This Way" - Lady Gaga: Tina Cohen-Chang (Jenna Ushkowitz), Kurt (Chris Colfer), Mercedes Jones (Amber Riley) e New Directions

Comentários
14 Comentários

14 comentários:

Nathália Campos disse...

HÁ: minha camisa vai tá assim FAN GIRL hahahaha :)

POP WORLD disse...

Teve 58 min aprox. Eles contaram os comerciais quando anunciaram como episódio mais longo ._.

cirilobecher disse...

Pior que nem achei tão bom o episódio assim... O que tinha como destaque a religiosidade na minha opinião foi bem mais interessante e olha que fiquei chocado com o Kurt ateu! Mas foi legal... Embora tenha achado meio forçadado o Kurt voltar agora que os Warblers não estão mais na competição. Para mim o pior foi aparecer um piano perto da arquibancada para o Blane tocar no final da música do Keane, hehehe
Em Glee tudo pode, meu deus a Santana ta com o Karofsky! Muito boa ela nesse ep.

E nada a ver essa coisa da Quinn ter sido feia, nossa, na hora até achei que ela fazia parte do "proteção à testeminhas". Coitada, já foi feia e gorda e já teve que dar o filho para adoção... São muitos traumas!

E no fim ainda teve a música censurada da Gaga, porque ninguem cantou

"No matter gay, straight, or bi
Lesbian, transgendered life"

Pois é... Não gostei tanto assim.

Jorge Moraes disse...

Putz. Bomzão mesmo esse episódio hein, falaê. Um dos melhores da série (talvez até o melhor da temporada). Tbm nao entendo esse povo que quer que glee se leve a serio. Será que eles nao se ligaram na proposta da série desde o piloto?! O.O
Na minha camiseta acho que estaria GORDO, CEGUINHO (uso 9 graus nos meus óculos) ou BOCA SUJA tbm

Alene disse...

Amei o episódio, principalmente a volta do Kurt, não aguentava mais ver o seu talento desperdiçado nos rouxinóis, senti falta da alegria dele, das roupas super estilosas. O episódio foi ótimo mesmo, estou gostando dos outros estarem cantando mais.
Eu sempre tive vários apelidos que colocaram em mim quase como forma de Bullying, tipo quatro olhos, pikachu, formiga, mas minha mãe me ensinou a ser bem respondona, então eu dava uma resposta bem dada, e incorporava o apelido, assim ninguém fazia Bullying comigo.
Acho que minha camisa seria, "Seu Lunga" (PS: sou cearense e o Seu Lunga aqui é bem conhecido como homem que não responde pergunda besta, e da respostas bem interessantes).

João Paulo C F Longo disse...

Venderam esse episódio como algo fora do comum, normal sendo um episódio com duração maior, e no fim das contas nada justificou. Na realidade era só pra barrar o The Voice na emissora concorrente. Funcionou? Não. Glee teve umas piores, se não a pior, audiência da série, o que nas faz questionar se o povo assiste porque gosta ou por pura falta de opção.

Episódio escrito tendo uma música como objetivo final não funciona pra mim. Em relação a reclamação do excesso de Gaga tenho que concordar. Adora ver Glee desenterrando músicas que nunca tinha ouvido e repaginando-as. Alguém pelo visto achar que interpretar música atual se nenhuma mudança vai agregar mais público... aham...

Teve a volta mágica do Kurt e o começo do tratamento da Emma, aquele que não acrescenta em nada. Glee está pior que novela da Globo nessa coisa de responsabilidade social ao esquecer das sutilezas e subjugar quem assiste.

Não, o episódio não foi ruim. Foi apenas morno com diversos outros. Estamos quase no fim e pelo jeito vão atropelar as histórias na season finale como fizeram com o Jesse+Racheal.

Mari Bisonti disse...

Adorei o episódio.. Nem percebi que era mais longo, só soube agora que vc mencionou.

Acho que esse episódio representa o equilíbrio da série, o tão sonhado equilíbrio entre o humor e o drama, que parece ser o objetivo desde o começo e finalmente foi muito bem alcançado.

vanessa disse...

Gostei bastante.Achei o foco balanceado,no começo achei que ia ser um mimimi o episodio inteiro com a historia da Rachel,mas eles deram destaque a varios personagem e nada pareceu forçado,tudo foi bem real.Glee é bem surreal as vezes,mas sabe como levar um drama de forma leve e discutir questões bematuais da vida adolescente

Diego disse...

Olha o contraste de episódios ai, esse foi muito bom ao contrario do anterior, Brittany muito engraçada como sempre.
Minha Camiseta é de TOC...

adriana2402 disse...

Só pra constar o piano no pátio não apareceu do nada e nem a banda pq a despedida do Kurt foi combinada com a Mercedes.
Gostei muito do episódio, principalmente Santanna.
Não gosto do Karofski de jeito nenhum, não importa o que ele faça(eu tenho medo da cara do ator que o interpreta).
E apresentação de born this way foi a mais desinteressante.

Junno_ disse...

Glee conseguiu.
Consegui fazer eu entender e gostar de #bornthisway, que até agora não me dizia nada, ainda mais depois daquele clipe horrendo da @ladyGaga. #Gle também consegui me fazer chorar ( e admito isso com um misto de vergonha e raiva), pq não sei bem explicar pq. Ou sei, mas isso é algo que me incomoda, lembra de coisas do passado, sei lá...

Muita gente fala mal de Glee, do roteiro, dos atores, das músicas....

mas não entendem a essência da série, que é essa valorização dos losers, mostrando que alguém que não é "perfeitinho", popular, modelo de beleza, também pode ser legal... por isso tanta gente se identifica, se vê na série...nos temas, nos personagens...e aí está o grande mérito de Glee...

Aguardo a #seasonfinale com um gostinho de quero mais.

É isso.

Junno_ disse...

AAAHHHH!!! Na minha camiseta estaria escrito (pausa pra pensar): "Inseguro Carente e Ancioso, apesar de não parecer." (pode ser frase né... rsrs)

Junno_ disse...

Só pra constar: Eu gostei muito do inicio da terapia de Emma... a la "In treatment". Mostrar terapia de forma séria e eficaz num série, me deixa muito feliz.

Junno_ disse...

Só pra constar: Eu gostei muito do inicio da terapia de Emma... a la "In treatment". Mostrar terapia de forma séria e eficaz num série, me deixa muito feliz.