quinta-feira, 10 de março de 2011

Glee 2x15: Sexy


O projeto de Ryan Murphy para educar as crianças da América continua em prática.

Tudo bem, eu confesso. Não existe projeto nenhum, pelo menos, não oficialmente, mas não consigo escapar da ideia de que Glee está aproveitando sua influência com o público adolescente/jovem, para passar certas mensagens educacionais, de modo criativo.

Isso já aconteceu no episódio sobre o álcool e, mais uma vez agora, colocando em destaque a importância da educação sexual. Muita gente pode até achar que não função da TV educar as pessoas. Eu mesma não vejo isso como uma obrigação e realmente acredito que educação vem de casa, mas se a TV puder dar uma forcinha, porque não? Realmente acho interessante ver esse rumo dentro dos episódios de Glee, especialmente pelo modo como eles lidam com as coisas, misturando a coisa séria com os elementos mais ridículos do mundo, como o fato de Mercedes achar que pepinos transmitem AIDS ou Finn acreditar que engravidou uma garota só por distribuir seus nadadores na água do ofurô.

Parece bizarro e é bizarro que existam tantas dúvidas relacionadas a sexo e DST’s, mas a verdade é que muita gente está desinformada por aí e por isso, continuo parabenizando a iniciativa da série em colocar isso em pauta, não apenas para os heterossexuais.

Outra coisa bacana foi a participação de Gwyneth Paltrow, que retornou para interpretar Holly Holiday e deve fazer novas aparições. Gostei muito mais dela nesse episódio, completamente insana, fazendo piadas maldosas até com a virgindade da Emma. Também não nego que gostei de vê-la enroscada com Will Schuester. Já tinha comentado por aqui que seria legal ele ter outro par romântico e acho que funcionou. Infelizmente, já deu para notar que não vai durar, pois Emma conseguiu casar e formar um clube do celibato, ao mesmo tempo, passando a mensagem de que ela só vai “deixar alguém comer sua sobremesa” se esse alguém for Mr. Schue.

Muito bacana o debate sobre homossexualismo, que não foi só para meninos. Adorei o momento em que Kurt e seu pai têm A CONVERSA e também Santana, descobrindo quem realmente é e o que quer para sua vida, mesmo que ela ainda viva pensando apenas na opinião alheia.

Não posso deixar de comentar o esforço de Kurt para ser sensual. Ri demais nas tentativas dele de lançar olhares, fazer caras e bocas e tudo o mais. Puck e Lauren se transformaram numa dupla bem engraçada e Brittany, que acha que a cegonha traz bebês, continua campeã de humor.

Legal é que até mesmo John Stamos cantou um versinho dessa vez. Ainda não entendo bem como ele se presta a gravar 30 segundos em episódios esporádicos, mas valeu mesmo assim. As músicas até que foram boas. Não me apeguei a nenhuma, especificamente, mas “Do You Wanna Touch Me” e “Kiss”, foram duas ótimas performances.


Músicas no Episódio:

"Do You Wanna Touch Me (Oh Yeah)” - Joan Jett: Holly Holiday (Gwyneth Paltrow) e New Directions

"Animal” - Neon Trees: The Dalton Academy Warblers

"Kiss" - Prince: Holly Holiday (Gwyneth Paltrow) e Will (Matthew Morrison)

"Landslide” - Stevie Nicks: Holly Holiday (Gwyneth Paltrow), Santana (Naya Rivera) e Brittany (Heather Morris)

"Afternoon Delight” - Starland Vocal Band: Carl Rowell (John Stamos), Puck (Mark Salling), Emma (Jayma Mays), Quinn (Dianna Agron) e Rachel (Lea Michele)

Comentários
10 Comentários

10 comentários:

@acabiasml disse...

Eu me simpatizei com Holly esse episódio! Em The Substitute ela pareceu incômodo na história... Já nesse foi prazeroso ver as cenas de Paltrow e a sua personagem não-doutora (até porque, se ela fosse doutora não falaria aquele tipo de coisa pra Emma... kkkk).

Não acho absurdo celibato, eu sou a favor, mesmo assim aos que não são adeptos, "the talk" esclareceu bem, e sem empurrar sermão em ninguém.

Ótima série, ótimo episódio, ótima review.

E a todos, muitos "Afternoon Delight"! kkkk

Leonardo disse...

Adorei o episódio, tambem concordo q a Holy tava melhor nesse episodio, acho tao legal do jeito q glee passa bons conceitos ao publico. Gostei das duas vertentes sobre sexo q foi abordado, a primeira sobre celibato-nao critico, mas quem faz sexo/amor sabe do tanto q é bom- e a segunda sobre sexualidade, q nos mostrou a verdadeira Santanna, otimo momento entre Kurt e o pai.

P.S> Me sigam no twitter: www.twitter.com/leonardo_series

@_heliofilho disse...

Apesar de ter gostado desse episódio de Glee. O que me incomodou foi à história de Santana, desde que a personagem ganhou espaço na série, que ela se tornou a minha favorita, sempre muito engraçada e venenosa. Então essa parte dela gostar de meninas não me agradou, achei forçado, desconstruiu a imagem de “Bitch” desbocada e safada que ela tinha. Aliás, uma coisa não ficou clara, ela gosta só de mulheres ou a única mulher que ela quer a Brittany. No Mais, eu já havia gostado da Holly, e neste episódio eu aprendi a gostar mais. Agora é esperar para ver como eles vão se sair nas regionais.

Sirofa disse...

Olá Camis,

Estou deveras preocupado. Comecei com essa brincadeirinha de baixar Glee para minha esposa porque as músicas eram legaizinhas e tal... daí ela me começou a me chamar para assistir junto.

No começo eu inventava uma desculpa, até que todas se acabaram e agora eu comecei a assistir, e, pior: Gostar!

Se não bastasse, por influência SUA dei uma espiada em Pretty Little Liars e me chamou a atenção, diferentemente de Hellcats.

Nunca pensei que chegar aos 30 passaria a ver programas de adolescentes!

Um grande abraço,

Silvio Faria
@sirofa

Diego disse...

Ri d+++++ na hora em que a Holy tá explicando e demonstrando com um pepino, ai eles ficam loucos pensando que pepino passa HIV. Assunto sério que eles abordaram mt bem.

Anônimo disse...

Eu achei que a Holly perdeu um pouco a mão na insanidade. Ela destrói um casamento e sai fazendo piada de pernas seladas.

O ponto alto do episódio foram os momentos Santana/Brittany. Naya Rivera está se mostrando uma atriz sensacional!

@brenopinheiro disse...

Não consigo parar de escutar Landslide, ficou muito fodaaa, Santana, Holly e Brittany foram fodas... ajuda eu ser viciado em Dixie Chicks mais mesmo assim foram fodas...

Junno_ disse...

Então.... Camis, a review foi boa.. mas não me empolguei muito com o episódio...sei lá achei muito fora da realidade as "dúvidas" deles... mas como é Glee, do um desconto. Achei um dois episódios mais chatinhos que eu já vi de Glee, tirando o drama de Santana, que achei superverossimel e a invitável e constrangedoara conversa sobre sexo entre pai e filho entre kurt e seu pai. Vamos esperar pelas regionais, que se eu não estou enganagdo devem lançar a primeira música própria de Glee, né... vamos ver o que vai ser...? bjs @junno_

Sirofa disse...

Olá Camis,

Estou deveras preocupado. Comecei com essa brincadeirinha de baixar Glee para minha esposa porque as músicas eram legaizinhas e tal... daí ela me começou a me chamar para assistir junto.

No começo eu inventava uma desculpa, até que todas se acabaram e agora eu comecei a assistir, e, pior: Gostar!

Se não bastasse, por influência SUA dei uma espiada em Pretty Little Liars e me chamou a atenção, diferentemente de Hellcats.

Nunca pensei que chegar aos 30 passaria a ver programas de adolescentes!

Um grande abraço,

Silvio Faria
@sirofa

@_heliofilho disse...

Apesar de ter gostado desse episódio de Glee. O que me incomodou foi à história de Santana, desde que a personagem ganhou espaço na série, que ela se tornou a minha favorita, sempre muito engraçada e venenosa. Então essa parte dela gostar de meninas não me agradou, achei forçado, desconstruiu a imagem de “Bitch” desbocada e safada que ela tinha. Aliás, uma coisa não ficou clara, ela gosta só de mulheres ou a única mulher que ela quer a Brittany. No Mais, eu já havia gostado da Holly, e neste episódio eu aprendi a gostar mais. Agora é esperar para ver como eles vão se sair nas regionais.