domingo, 30 de janeiro de 2011

Fringe 3x11: Reciprocity


Todo relacionamento é recíproco.

Impressionante. Joshua Jackson está cada vez melhor como Peter Bishop e o episódio dessa semana (brilhante, mais uma vez), deixa isso ainda mais explicito. No começo da série a falta de utilidade do personagem me incomodava. Eu simplesmente não entendia porque um cara que é só filho de um cientista, sem qualquer outro mérito ou especialidade no ramo, teria um emprego como consultor do FBI. Aos poucos, isso foi mudando. Peter mostrou-se essencial na trama. Ele é a grande peça desse quebra-cabeças.

O que vimos nesse episódio foi uma mudança radical. É preciso reparar nas nuances da interpretação, os olhares, os gestos, o modo como Peter se movimenta. Tudo mudou. E essa mudança, que veio após o contato dele com o Dispositivo do Apocalipse (decidi que esse é um bom nome para a máquina que deve destruir dois universos), o tornou sombrio e distante, embora ele ainda represente seu papel de bom moço para uma platéia que quer enxergá-lo assim.

Agora Peter é uma arma. E não dá para saber o que isso significa, exatamente. Ele se transformou numa pessoa imprevisível e os resultados de sua obsessão com o DA (Dispositivo do Apocalipse) podem acabar agindo contra ele mesmo, especialmente porque parece que Peter é o novo rei da mentira.

Com Walter essa encenação durou pouco. Se existe um homem que conhece seu filho, é esse aqui. Mesmo que ele não soubesse exatamente o que havia de errado, uma pequena investigação lhe deu todas as respostas. Talvez DNA de chimpanzé misturado em seu cérebro não seja algo tão ruim assim.

Aliás, belíssima tirada. Adoro esse humor em Fringe e como eles utilizam a ciência para balancear momentos de tensão com outros em que simplesmente podemos soltar a respiração e rir de Walter desejando bananas e marcando território em seu laboratório, mostrando para Astrid que ali, o primata que manda é ele.

Infelizmente para Walter, aqui nessa review quem manda sou eu e essa história de FOlivia (a Fake Olivia) não vai colar. Aqui Bolivia comanda, porque a coitada não é fake, ela só é parte integrante do Lado B. Falando nisso, não sei se sou apenas eu, mas já sinto saudade da abertura vermelha e do outro universo. Gostaria que a troca de lados nos episódios não parasse completamente. Seria interessante ver o que está rolando com Walternativo e o retorno de Bolivia ao lar. Com certeza ela não imagina o impacto que causou durante suas “férias” no Lado A.

Como já estamos na metade do caminho, imagino que agora as coisas comecem a se encaixar. Estou alucinada para descobrir sobre o conteúdo de “The First People”. Será que tem versão em português? Se não tiver, me contento com a edição em espanhol, muito bem produzida por sinal, parecendo realmente um livro antigo com conteúdo assustador.

Se dessa vez você não viu o Observador, lá vai a dica: Ele está atrás de um carro policial, naquela cena de crime onde encontram o primeiro shapeshifter.

O Glyph Code da vez é bastante significativo. A palavra ALTER, significa mudar, alterar. E se colocarmos em perspectiva tudo o que aconteceu com Peter, fica bem óbvio que essa é a expressão perfeita para descrever o que está acontecendo. Peter não é mais o mesmo, mas vale lembrar que o Dispositivo do Apocalipse também foi tocado por ele e, portanto, também mudou.

Comentários
4 Comentários

4 comentários:

Marco Antônio disse...

Agora que eu digeri o episódio, fiquei com um pouco de receio do que poderia acontecer com história com esse lance de Peter malvado (mais ai lembrei que estava vendo Fringe). E ainda nessa temporada veremos cenas no Lado B, por volta do eps 14 ou 15, e li boatos que veremos o que aconteceu no lado B em 1985, logo apos o sequestro de Peter.

Caio disse...

Eu segui o conselho de todos os blogueiros e finalmente assisti Fringe, agora estou em dia com a série!! E nossa, já estou em abstinência por ter de esperar uma semana cada episódio. ótima review, ótima série.
Bjus,

Anônimo disse...

O perfil de peter sempre foi de um cara vigarista, trapaceiro e mentiroso e como ele cai naquela historia de bolivia ou ele era retardado ou muito esperto e sinceramente eu fico com a segunda opção pra mim ele sempre soube das trocas e tava fazendo contra espionagem. Bolivia que pra mim e mais bobalivia tem teria a capacidade de enganar o peter daquele jeito.

isotopos Aka Ricardo disse...

A volta de fringe não foi tão boa quanto esse episódio foi, Esse teve a cara de fringe, A parte cômica veio na hora certa, E o Walter falando que até ele sabe usar uma lista telefônica eu ri muito.
Ótimo episódio.