terça-feira, 30 de novembro de 2010

The Walking Dead 1x05: Wildfire


Hora de ver a LUZ, mais uma vez.

Ainda apostando na raridade de zumbis e no desenvolvimento humano, The Walking Dead continua cumprindo seu papel, mas deve ter apresentado o episódio que receberá o maior número de críticas até a hoje.

Com certeza quem já vinha reclamando da série não vai se calar diante de um episódio mais lento, mas que nem por isso deixou de ser tenso e provar seu valor. Sou mesmo defensora convicta, não posso evitar. Eu vejo mais do que mortos na produção da AMC, embora, sei lá, eu confesso que teria ficado feliz com alguma ação nesse sentido.

Meu argumento, no entanto, não muda. É preciso mesmo focar mais nos personagens ou ninguém jamais se importará com o destino desses sobreviventes que são o grande foco da história.

Depois daquele massacre acho que não poderia ser diferente. O episódio se propôs a nos mostrar como a vida segue e como cada um escolhe lidar com a situação que vimos na semana passada. Andrea é um exemplo ótimo e sua relação com a morte da irmã mais nova, Amy, é a fonte para muitos questionamentos que qualquer um de nós teria se estivéssemos no lugar dela. A culpa, o sofrimento, o apego. Será que é mesmo tão fácil apenas destruir a cabeça de um zumbi? Será que você, aí, pensaria que sua irmã é apenas mais um zumbi? Honestamente, eu não sei.

O lance das regras e das leis também voltou. Quem é o líder? Que caminho seguir? O que é mais seguro para o grupo? Quem está certo e quem está errado? São todos questionamentos tão óbvios e tão próprios que não consigo imaginar como alguém pode pensar em produzir uma série nesse tema sem realmente colocar isso em pauta.

Shane foi outro destaque. Sei que muita gente acha o ator medíocre, mas estou aprendendo a apreciar o trabalho dele. O personagem se encontra numa das circunstâncias mais interessantes dentre todas e vive num limite, inclusive ético. Vê-lo discutir com Ricky na floresta mostra até que ponto ele pode chegar e provavelmente nos dá um vislumbre do que vem por aí. Esse embate entre líderes é inevitável e nada ficará encoberto. Para mim, ele só decidiu seguir com a ideia do amigo para diminuir o sentimento de culpa. A perigosa viagem ao CDC jamais aconteceria se Shane não achasse que deve algo a Ricky.

Jim também teve seu lugar. Mais uma vez trazendo o debate ético e sobre quais devem ser as regras do grupo. O interessante é notar as nuances entre os que pensam apenas com instinto de sobrevivência e os que ainda querem preservar aquele resquício de valores morais da sociedade.

Além disso, tivemos o novo elemento. Um personagem novo, habitando sozinho a sede do CDC, sem muita noção do mundo exterior, sem muita esperança e beirando o limite da razão. Ouvi muito falar da tal LUZ antes de ver o episódio e tive medo de que fosse algo tão idiota quanto o vimos em Lost. Ainda não quero tirar nenhuma conclusão sobre o que vem por aí, mas pelo menos essa Luz era de lâmpadas mesmo e não de uma fonte aquosa luminosa rolhosa ou coisa assim. O grande barato dessa etapa que acaba de começar é que ela traz uma nova dose de desespero aos sobreviventes. Afinal, o que resta para quem ainda está vivo? Será que ainda é possível ter esperanças ou é chegada a hora de se entregar e esperar pelo destino inevitável? Semana que vem teremos alguma pista, na Season Finale.
Comentários
6 Comentários

6 comentários:

Alice disse...

Você disse que o episodio vai receber muitas criticas mas eu discordo. Achei muito interessante cada trama proposta, a cena do velho consolando a irma da menina morta, a moça que era espancada meio que se vingando do marido apesar de todo o sofrimento, o Shane tentado pela ideia de atirar do ex-amigo e o velho pegando ele no flagra.
Não houveram clichês, quem tinha que morrer, morreu, o infectado foi abandonado e a luz no final foi muito empolgante.
Não sei o resto da galera, mas eu mal posso esperar pra ver o proximo episodio.

João Paulo disse...

Chega um tempo em que certas coisas evoluem. O prelúdio veio com vampiros que brilham ao sol. Agora temos zumbis que usam a maçaneta pra entrar numa casa. Chique, né?

Meu problema com TWD são principalmente os diálogos chatos e a insistência em fazer publico gostas de alguns personagens do acampamento. Não funciona.

Tenho muito mais simpatia pelo japonês speed-racer e pelo irmão do capitão gancho que pelo resto do elenco. Primeiro se constrói a personalidade, interessante de preferência, e depois vende a história deles.

Aliás, que série mais preconceituosa: zumbis da cidade correm loucamente quando querem algo. Zumbis do campo são devagar quase parando. Durante o ataque do acampamento eu esperava que 97% do elenco fosse comido. Agora é esperar que eles encontrem algum avião e se acidentem numa certa ilha.

Nesse penúltimo episódio cuja história caminha a passos de zumbis do campo tivemos o momento Eu Sou A Lenda. Curioso como algumas coisas se repetem.

P.S.: Se alguém quiser uma história de zumbis que consegue sair da vala comum recomendo o mangá Highschool of the Dead que esse ano ganhou um anime com poucos episódios e sem zumbis usuários de maçaneta.

Wellington Laurindo disse...

The Walking Dead a cada semana se superando, acho interessante não ficar só nos zumbis e sim mostrar o que toda aquela situação pode levar o ser humano.
Estou adorando e adorei o final desse episódio, alguém que já leu os HQs; a imagem no fim do episódio tem em algum momento nos quadrinhos? tive essa impressão ao ver a cena.
Ansioso pela Season Finale!

thiago mb disse...

João Paulo, acho que já te dissera e você percebeu, que TWD é mais do que zumbis. Se você quer só sangue, procure outra série.

João Paulo C F Longo disse...

@thiago mb

Honestamente pouco me importa se os zumbis aparecem. Me irrito com a pobreza de vários diálogos que tentam criar empatia do público com o personagem.

Obviamente o foco da série sãos as pessoas vivendo num mundo quase que pós apocalíptico. Se fosse sangue e afins mostrariam como a infecção se propagou e a luta deles pela sobrevivência.

Quer dizer que o vírus do fanatismo desenfreado já se espalhou? Medo. Pelo direito de assistir só pra descer o pau depois!
Viva os zumbis usuários de maçaneta! Viva os zumbis do campo.

Lu VC disse...

A parte da transformação da Amy foi tensa demais. Sem contar toda a historia do Jim tb.

Confesso q ainda não tenho opinião formada qto as mudanças com relações aos HQs, diferente não precisa ser necessariamente ruim. Por enquanto, continuo achando a série ótima. E, de longe, o Gleen é o personagem q eu mais gosto.

ps1: Wellington, essa parte do CDC não existe nos HQs.

ps2: "pelo menos essa Luz era de lâmpadas mesmo" hahaha #porralost

bjoss