segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Dexter 5x06: Everything Is Illumenated



Difícil começar qualquer review de Dexter sem elogios, então, simplesmente não vou me conter.

A 5ª temporada de Dexter está excelente e não há como dizer algo contra isso. Toda aquela sensação de que talvez, já fosse hora de encerrar a série acabou e só vejo novas possibilidades surgindo.

Lumen continua intrigante e dessa vez, conseguimos entendê-la melhor. Toda a narração de sua história de vida, a fuga e seu encontro com o destino infeliz ajudam a montar melhor o cenário em que Dexter está mais do envolvido. A cena da banheira é o momento chave e faz Dexter perceber que Lumen pode ser sua válvula de escape. Ele não pode mais vingar a morte de Rita, mas pode ajudar Lumen a encontrar sua paz.

Não será um processo fácil, como pudemos conferir. O primeiro assassinato real dessa dupla quase acaba em desastre. Como sempre, Dexter tem consigo uma parcela inacreditável de sorte, que quando unida a sua perspicácia, faz tudo fluir.

Esse episódio teve um ritmo tenso. Fiquei esperando o pior acontecer, aquele tão temido flagra que viria acompanhado de uma desculpa estrategicamente esfarrapada. O que aconteceu não foi muito diferente disso e o improviso, somado à mente doentia de Masuka foram fundamentais.

O que acontece agora é a união, cada vez mais forte, desses dois personagens. É como se Dexter fosse ensinar Lumen a matar e não deixar vestígios. A caça pelos estupradores e torturadores será, no mínimo, interessante.

Além disso, passei um bom tempo tentando entender porque aquele maldito funk escroto estava tocando na boate da Santa Mierda, digo, Muerte. Espero que a escolha tenha sido aleatória e que a pessoa que optou por essa linda canção não saiba que tipo de poesia adicionou ao episódio. Aliás, falando em poesia, quão poético é ver Quinn pegando a irmã de seu maior rival? Parece até birra dele, mas o negócio vai mais longe, com Deb tendo sentimentos pelo cara. Não sei como ela consegue, honestamente.

E como não poderia deixar de ser, os problemas maritais de Angel e LaGuerta continuam como uma imensa bobagem. Pelo menos dessa vez, fingiram que o caso em que estão envolvidos e os problemas no departamento de homicídios fazem parte dessa trama.
Comentários
4 Comentários

4 comentários:

Mari Bisonti disse...

Também não vou me repetir com os elogios aos roteiristas e a Michael C Hall, já é redundância colocar ótimo ator na mesma frase que o nome dele..

Esse episódio foi bom demais..fiquei com essa mesma aflição de que tudo ia dar errado, ainda mais com a promo pegadinha-do-malandro que eles fazem..

O que eu mais gosto é que mesmo vendo as promos e lendo alguns spoilers, estou me surpreendendo bastante a cada episódio..Será mais uma temporada pra deixar na dúvida entre a melhor de Dexter, junto da 1ª e da 2ª?

João Paulo C F Longo disse...

"É som de preto, de favelado, mas quando toca, ninguém fica parado!" Comecei a rir loucamente quando escutei isso. Pena que escolheram uma música(?) tão tosca do Brasil.

Enfim, poucas séries me fazem querer ver o próximo episódio e Dexter é uma delas. Boa narrativa é outra coisa, né?

Fábio disse...

Belo Review para um episódio sensacional. O melhor até então. A série deve pegar fogo. Apostaria em Dexter desmascarado no final. Uma bomba para a 6ª temporada como foi a morte de Rita.
Ah! Esqueceu do Die Die rsrs

Anônimo disse...

"É som de preto, de favelado, mas quando toca, ninguém fica parado!" Comecei a rir loucamente quando escutei isso. Pena que escolheram uma música(?) tão tosca do Brasil. [²]

rsrs Camis.... passando só pra dizer que leio sempre suas reviews e sou seu fã. Nem sempre concordo com vc mas respeito muito sua opinião..rsrs...


Die die... kss...

@junno_