quarta-feira, 7 de abril de 2010

Lost 6x11: Happily Ever After


Eu não sei como expressar o que senti com esse episódio em palavras, mas vou tentar. Desmond sempre foi o responsável pelos momentos mais enlouquecedores de Lost e a tradição se manteve. Com ‘Happily Ever After’ uma coisa ficou clara. Nenhum de nós, fãs, faz ideia do que o final da série nos reserva, mas é pouco provável que Lost termine com um simples “E viveram felizes para sempre”.

Brotha, brotha, brotha. Mil vezes brotha! Mais uma vez a Ilha é coadjuvante e a história se desenvolve mesmo é nos flashsideways. Aliás, vamos agradecer aos produtores e roteiristas, pois é a primeira vez que aquele monte de historinhas paralelas não pareceu inútil e aleatório.

Muitas perguntas surgiram e, uma delas é sobre a real importância de Desmond nessa encrenca. Ou então, quem são mocinhos e quem são os bandidos? Qual lado está certo? Qual caminho tomar? É impossível decidir se Lockezilla é a salvação, se Jacob mente, se Widmore está ali para ajudar. A única coisa que sabemos é que Charles Widmore é, sem dúvidas, a pessoa que mais conhece a Ilha e seus efeitos, no antes, no durante e até mesmo, no depois. Se fosse de outra forma, ele não teria raptado o próprio genro, único sobrevivente de uma catástrofe eletromagnética, para entregar-lhe uma missão. Em princípio, Desmond se recusa, luta e esperneia, mas sua mente é sugada para esta outra realidade, onde ele é apenas um alto funcionário das empresas de Widmore, que o ama e idolatra, em seu estilo de vida solitário e descompromissado.

Seguindo a tradição, Desmond encontra, já no aeroporto, com as pessoas às quais esteve ligado na Ilha: Hurley, Claire e até Minkowski, que é seu motorista, engraçadinho e bizarro. Porém, o grande ele de Desmond é Charlie, que tem uma atração especial por situações de risco e por mostrar a Desmond, mesmo que de forma semi-consciente, que aquilo que eles estão vivendo não é tudo. Há muito mais escondido. O acidente de carro e a reconstrução da cena clássica com os momentos finais de Charlie são prova disso, acendendo na cabeça do Brotha um nome familiar, mas que agora, não faz sentido. Quem é Penny, afinal?

Antes de descobrir a resposta para essa pergunta, ele precisa encarar a Srª Widmore e explicar o porquê de a banda Drive Shaft não poder se apresentar em seu mega evento de caridade. Pois bem. Com fama de megera, Eloise Widmore, mostra que sabe mais do que revela e seu filho Daniel Widmore (ex-Faraday) é, mais uma vez, a voz da razão, mostrando para Desmond a possibilidade de um mundo paralelo e mais, quem é Penny.

O encontro com a mulher de suas visões é forte e o leva de volta à Ilha, onde parece meio catatônico. Desmond simplesmente concorda em ajudar e parece ter entendido o que todos nós estamos tentando compreender há seis temporadas. A aparição de Sayid, o impiedoso zumbi nadador, bagunça tudo, muito mais e deixa a dúvida sobre o estado mental do Brotha, pós-eletromagnetismo.

Na verdade, tudo não passa de estratégia, pois em seus sonhos, Desmond , além de pedir a lista dos passageiros da Oceanic para mostrar sabe-se lá o quê, vai encontrar Penny exatamente onde eu previa. Na esquina de Melrose Place, que se não é um Café, é a nova LOST!
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

Leo Oliveira disse...

O que o Desmond vai mostrar para os passageiros? Oras, o AMOR! Já diria Michel Alouca, tudo em Lost é sobre o amor, e hoje a Kristin (rolha no seu c*, Kristin!) confirmou que essa é a palavra de 4letras que define Lost. Então vamos todos comemorar porque em Melrose tem amor de sobra, e se Lost não responder tudo, as respostas estão lá!

Daniel Barcelos disse...

Será que o Desmond, agora, vai estar que nem em Avatar? Dorme em uma realidade e acorda na outra? hahahaha
Ele está meio abobado, mas fearless. Combinação perigosa nas mãos do Sayid...

To animado!
boa review!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.