quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Ugly Betty 4x11: Back in Her Place


Ugly Betty pisa no freio e diminui o ritmo intenso dos episódios anteriores. Numa marcha um pouco mais lenta, ‘Back in Her Place’ fecha alguns ciclos, muda destinos e mexe com o futuro dos personagens.


A começar pela própria Betty que, convenhamos, está muito acomodada nessa relação com Matt. Não é que tudo seja perfeito entre eles, mas a falta de desafio num casal como esse está fadada a cansar um pouco o público. Não quero generalizar. Sei que Betty e Matt têm seus admiradores, mas, para mim, sempre faltou aquele tempero a mais na relação dos dois. Agora que Matt resolveu ir para a África, ajudar os mais necessitados, a história da feia se renova, pelo menos, no setor amoroso. Claro que vem por aí um período de viuvez ou algo assim, mas com os números de audiência sem mostrar resultados positivos, como tem sido nas duas últimas semanas, se eu fosse roteirista da série pensaria num desfecho romântico digno para ontem. Ainda não existe qualquer notícia de cancelamento oficial, mas sejamos realistas. A situação de Ugly Betty não é das melhores há algum tempo.

Além de perder o namorado, Betty ainda conseguir ficar mais feia e mais cafona. As roupas apertadas demais na atriz me dão sensação de sufocamento. Para piorar, Wilhelmina resolveu fazer dela um rato de laboratório, testando variados cosméticos cujo resultado final na aparência é o mais puro desastre. Depois da pior semana se sua vida, com tornozelo torcido, pele avariada e cabelo que parece uma moita seca, Betty resolve voltar a morar sozinha em seu antigo apartamento.

Quem também acaba o episódio sozinha é Wilhelmina. Morri de pena dela querendo se casar com Connor na prisão e recebendo a notícia de que ele foi transferido. Tudo mentira, é óbvio e o clichê diz que assim que ela arrumar um novo amor ele sairá da prisão para atrapalhar tudo. Cá entre nós, preciso confessar que Connor fica um espetáculo no macacão de prisioneiro e esse é um comentário que eu não faria para qualquer um.

Nesse meio todo, Daniel está largado na história. As cenas dele se resumiram a desconfiança de que Marc está tentando voltar ao antigo trabalho com Wilhelmina. Adorei ver que Daniel estava errado e mais ainda saber que aquela barba rala vai sumir dali, graças ao chiclete grudado. Obrigada, Marc.

Quero ainda comentar a pequena participação de Amanda, que mesmo sem grande importância no quadro geral é uma aparição cômica mais que necessária, com suas caras e bocas e o toque sem noção.

Para completar, tivemos o breve surto de Hilda, já pensando nas coisas de que terá de abrir mão, agora que passará anos cuidando de uma nova criança. Apesar de Bobby parecer um criminoso, a verdade, até agora, tem sido outra. Ele mostra, a cada dia, que é um poço de paciência e doçura e que está disposto a fazer dar certo e criar uma família com Hilda coisa que, não nego, me agrada bastante, já que vimos a personagem sofrer tantas vezes e ela merece um final feliz.
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Dan Artimos disse...

Chuck voltou com uma temporada sensacional, ainda bem que a NBC resolveu dar mais uma chance para a série...

E o fato deles resolverem fazer arcos fechados de 13 episódios pode ser uma boa para eles trabalharem melhor...

Quero ver o que irá render o Brandon Routh na série... até que ele me agradou bastante...

Buy More é Buy More... as cenas do Clube da Luta foram ótimas... até mesmo a do cara sendo eletrocutado

OBS: coloquei o link de vcs no meu blog...