domingo, 13 de fevereiro de 2011

Fringe 3x13: Immortality


Bolívia querida, nem adianta fazer essa cara. Agora a informação é de domínio público.

Vejam só que coisa. Se você é assíduo freqüentador desse blog e sempre lê as reviews de Fringe com moderada atenção, provavelmente já sabia da grande notícia que se confirmou nesse episódio. Pois é, minha gente, Bolívia está grávida de Peter e isso não era nenhuma viagem minha, embora as pistas fossem um tanto confusas. Detalhe é que eu NUNCA, JAMAIS, leio spoilers. Acho que é muita teoria da conspiração na minha cabeça, que juntou uma frase do Observador (“Deve ser difícil ser um pai”) a um pouco de imaginação e pronto. Eu mesma criei um spoiler tentando apenas debater uma das minhas ideias sobre o episódio de retorno da série, ‘The Firefly’.

Como apenas fazer o clássico “xixi no palito” seria muito banal, eis que ganhamos mais um caso bizarro para a Fringe Division do lado B investigar. O retorno de besouros que só coexistiam com carneiros e que entraram em extinção junto com seus hospedeiros foi de dar aflição. Primeiro, porque achei que eram baratas gigantes saindo de dentro das pessoas e depois porque insetos em grande quantidade me deixam muito nervosa, não importa a espécie deles e se são peça fundamental para a manutenção do ecossistema.

Toda a história de Armand Silva (me certifiquei de escrever o nome dele certo) foi feita para justificar o título do episódio. Ele queria ser imortal, mas não do tipo highlander. Para Armand ser imortal era deixar um legado profissional em sua área e criar a cura para uma doença que salvaria milhões de pessoas. Sua obsessão por isso foi longe demais e aí que entra um importante tema do episódio: os limites da ciência.

Fiquei impressionada com a atitude de Walternativo diante da notícia de que os testes com cortexiphan só funcionariam em crianças, por causa das possibilidades infinitas de desenvolvimento cerebral. Era de se esperar que ele ordenasse o inicio imediato das injeções em crianças, mas alguma coisa impediu Walternativo. Não sei bem se é ética. Talvez ele saiba o que Walter causou no lado A. Talvez ele tenha algum impedimento moral ou emocional por causa do seqüestro de Peter. Não sei exatamente a que me agarrar nesse caso, mas ele é muito controverso, na medida em que os planos de construção do Dispositivo do Apocalipse praticamente se completaram. Walternativo é um homem de muitas faces e embora tenha mostrado escrúpulos por um lado, por outro ele segue com seus planos de destruição e até trai a esposa.

Importante ressaltar, ainda, a atuação honesta de Anna Torv. Muita gente a acha um robô em cena, mas ela consegue se transformar para fazer Bolívia, provando que na verdade, Olívia é que é aquela coisinha difícil de lidar, presa e pouco natural em sua própria pele. Bolívia é inconfundível. Sorridente, brincalhona, confiante e muito interesseira. Digo isso porque ela seria capaz de se casar com Frank só por casar. Acredito que ela não soubesse sobre o bebê, então não foi exatamente um golpe da barriga. Até porque, cá entre nós, esse artifício tão medonho será usado para trazer Peter de volta ao lado B e aí, a frase de Sam Weiss para Nina Sharp fará todo o sentido. A escolha está cada vez mais pendendo para o time vermelho, embora haja inúmeras possibilidades para esse caso, como a união dos universos ou uma trapaça do próprio Peter, que roubaria o filho e o mudaria para o lado que estivesse disposto a salvar, quando chegar o momento.

Uma coisa bem bacana de se notar é que Fringe continua mandando bem no quesito técnico. A fotografia e a produção da cena inicial, com o flutuador sobre a cidade foram excelentes. Também gostei de ver que os roteiristas mantiveram o elemento de humor, que sempre fica por conta de Walter. Dessa vez, Charlie encarou bem a função de alívio cômico, fazendo troça da paixonite da bióloga que cuidava dos insetos.

A dica sobre onde estava o Observador de hoje é fácil. Ele estava olhando pela janela, atrás de Bolivia, enquanto ela aguardava o retorno do corno, digo, de Frank, na Empire Docking Station.



Uma referência bacana é sobre o tal Cone do Silêncio, citado por Lincoln ao dizer que guardaria em segredo as intenções de Frank. A expressão vem de uma série muito antiga, lá da década de 1960: Get Smart. Aqui no Brasil a produção é conhecida como ‘Agente 86’. O programa era uma comédia idealizada por Mel Brookes e Buck Henry para tratar de temas como espionagem e Guerra Fria, nos moldes criados pelos filmes de 007. O tal Cone de Silêncio tinha a função de fazer ‘vazar’ informações, em vez de mantê-las a salvo.

Agora, preciso dizer que o mais difícil está mesmo na interpretação desse Glyph Code: Romad. Não fosse pelo pai dos burros, Sr. Google, eu ficaria sem ideia do que isso significa, mas acho que cheguei perto de entender. Romad é, aparentemente, uma sigla militar, que descreve o trabalho de um grupo específico de profissionais, que aceitariam se colocar em alto risco para completar suas missões. A expressão, na íntegra, seria essa: Radio Operator Maintainer And Driver. Imagino que isso possa estar relacionado ao trabalho que Bolívia realizou no lado A e que poucas pessoas aceitariam fazer.

Comentários
8 Comentários

8 comentários:

Pablo disse...

Muito bem heim Camis? Tem que cuidar de ler os teus textos pra não ter spoiler na review agora? Ahahaha

Mas foi muito bom o episodio mesmo, tanto nos quesitos tecnicos, fotografia e trilha fodasticamente fodas, quanto na direção e roteiro. Pra mim Fringe ta em outro nivel na tv aberta america, e não vejo nada no mesmo nivel.

Outra coisa é a referencia clara a Beatles, putz Beatle Skelter?? AHAHAHA Sensacioanal.

Ana Paula Fernandes disse...

Acho que vocês não notaram uma certa referenciazinha a um episodeo com caso parecido(n mt mais parecido), o "Unleashed"(1x16) quando Charles é infectado quando por uma "fera" criada em laboratório(corpo de leão, garras de águia, presas de víbora, pele de rinoceronte) ataca ele e deixa seus ovinhos nele pra por gerar novos "monstrinhos" xD. E pra mim a coisa pro lado da Olivia agora não podia ficar pior, com a "Folivia" gravida. e creio eu que tudo vai ficar nas maõs de Walter mesmo, pois ele tera que desistir de Peter para salvas os 2 universos, obviamente creio que Peter vai escolhe a "Folivia"
Que ODIOOO! tava torcendo pra eu tar maluca e tivesse sido apenas uma teoria maluca da cabeça de quem notou e "compreendeu" a frase do Observador pra Peter, mais "Folivia" reamente engravido T.T. TADINHA da Olivia BUAAAAA!
OBS:Espero cinceramente que não seja esso o caso, espero que esse Bebe traga com ele uma uniao entre os universos!

Marco Antônio disse...

Foi um eps. incrivel mesmo. Conseguiram transformar Fringe em uma serie completamente diferente com com uma história do outro lado. Só um detalhe: O Walternativo só repetiu a decisão de Walter de não usar crianças nos testes cortexiphan, aqui ele não concordava, mas a coisa foi levada adiante por William Bell.

Diego disse...

Me sinto tão bem lendo suas reviews, sempre atenta aos detalhes, se num fosse por você nunca ia achar o Observador (sou distraido).
Em relação a gravidez de Bolívia também acho que Walternativo irá usar este pretexto para levar Peter para o lado B !!! E se a nossa Olívia não conseguir esquecer aquela coisa de que a Falsolívia pegou tudo que era dela, já pode ir dando adeus ao Peter, se os dois não ficarem juntos, ele não vai ter nada a perder !!!
Camis parabéns ótimas reviews como sempre.

Sofia disse...

Camis, como sempre mandando muito mais do que bem na review de Fringe, minha preferida.

Gostei do episódio, apesar de sentir falta do pessoal over here, eu gosto da realidade alternativa e adoro ver o trio Altliva/Charlie/Lincoln trabalhando juntos e zoando-se mutuamente.
Mas foi mais dificil ver pq tenho pavor de insetos.
Gostei muito de ver os roteiristas humanizando os pessoal de lá (Altlivia e Walternativo) pois seria muito fácil a gente apenas escolher nosso lado e rotulá-los como malvados, vilões. A verdade é que Walternativo também é uma vítima, Altlivia é uma guerreira que acreditando em sua missão, estragou sua própria vida, achando que isso salvaria as pessoas que ela ama over there, como a mãe e o próprio Frank. Assim, traz mais conflitos éticos e complexidade a trama. Ainda infiltrada, no jantar onde Peter dá aquela indireta sobre sexo, ela vai respirar no saco, lá no lavabo do restaurante. Isso indica claramente o quanto ela estava tendo que passar por cima de seus próprios valores para executar a missão que acreditava ser salvar o mundo que ela conhece.

- Acredito que ela sabia sim da gravidez. Ela nao bebeu alcool quando o Frank voltou de viagem, só ele bebeu vinho, ela deu uma desculpa e não bebeu. Acredito que ela nao queria da o golpe da barriga, mas não esperava se envolver com o Peter emocionalmente, estava desesperada buscando restaurar sua vida over there, ficando com quem ela deveria ficar, mentindo não só para Frank mas para si mesma.

- ROMAN tbm é uma sigla militar para: Reconhecer, Observar, Marcar e Destruir, o que combina perfeitamente com os planos do Walternativo

- Nunca foi revelado qual era a fase 2 da missão da Altlivia, acredito que era mesmo essa intimidade com Peter, para traze-lo de volta ou até quem sabe sem ela saber, o Walternativo planejou esse neto para usá-lo na máquina.

- Assim como todos os fãs de Fringe, tenho medo de que essa gravidez seja o pulo do tubarão da série. É impossivel nao associar a um enredo novelesco, mas como já comentei todo drama de Fringe é soap opera em sua essência, mas elevado a nível incrívelmente satisfatório pelo excelente roteiro e produção.

- Os fãs mais hardcore estão revoltados com a gravidez, temo que isso afete a audiência que já está frágil. Tem uns idiotas boicotando episódios inteiros no universo paralelo.

- Anna Torv está arrasando, esqueço que ela interpreta Altlivia tbm.

- No mais estou ansiosa em como eles vão lidar com esta vibe mais dramática, esperando por uma 4ª temporada porque os produtores já anunciaram que vão acabar esta com cliffranger.

- E que coisa as ovelhinhas estarem extintas do universo vermelho. Mundo sem fofura, que horror!

Sofia disse...

Desculpe, é ROMAD, troquei a ultima letra no coment anterior: Recognize (Reconhecer), Observe (Observar), Mark (Marcar) And Destroy (Destruir.

Agora resta saber qual dos dois significados o glyph code representa.

- Sou só eu ou vcs tbm acharam que o desaparecimento do Broyles foi encarado muito positivamente? Ele era o líder da Fringe Division, teoricamente a âncoro e o leme da eqipe. Pensei que ficariam mais desnorteados.

- Teve tbm várias referencias a Helter Skelter e Mason nesse episódio.

Caio disse...

Camis, desta vez eu vou ter de repreendê-la: por fazer as reviews de Fringe com tanta calma e conteúdo, a grande reviravolta do episódio não foi uma surpresa. Era brincadeira o que eu acabei de escrever, continue com essas reviews ótimas!!!
E realmente a Anna Torv está ótima como Bolívia. Eu achva ela uma atriz tão fraquinha, mas com o universo paralelo e tudo mais, ela se mostrou uma ótima atriz que, na verdade, está interpretando uma personagem sem sal. Estou achando que o Peter vai acabar escolhendo a Bolívia...

karolll disse...

esse seriado n temos do que reclamar pq e simplesmente FODA!!! em escrito cheio de detalhes que enlouquece vc.
pena que a audiência caiu essa semana ;( pra mim é o meu seriado preferido uma pena msmo..... ;*