terça-feira, 23 de novembro de 2010

The Walking Dead 1x04: Vatos


Quando menos se espera, eles vêm.

Num mundo dominado por zumbis não existe paz, apenas aquela falsa sensação de segurança, que não pode durar muito. A gente nunca sabe de onde um deles vai sair, muito menos como agir sob pressão durante um ataque. Todas essas situações ficaram evidentes em mais um ótimo episódio de The Walking Dead, que segue desenvolvendo sua trama e seus personagens de forma serena, utilizando cada minuto necessário para isso.

Os reclamões devem ter ficado mais satisfeitos com a quantidade de zumbis dessa vez, então, imagino que a quantidade de mimimis seja um pouco menor. Claro que eu também quero ver mortos e ataques, sangue e corpos despedaçados. Ninguém assiste filmes ou séries desse tema para ver um romance cor-de-rosa, mas eu valorizo muito o trabalho da AMC na construção dessa história, que não está sendo feito para ser efêmera.

Acredito que trabalharam o clima no acampamento muito bem e esse episódio funciona perfeitamente quando o colocamos em conjunto com o anterior. Estamos conhecendo os sobreviventes e somente nossa ligação com eles irá determinar o choque em acontecimentos futuros, porque afinal, ninguém se surpreende com a morte de um personagem sem carisma.

Toda a tranqüilidade aparente foi dilacerada. Estávamos esperando um ataque brutal de Merle e ganhamos uma invasão zumbi. De onde eles vieram? Realmente, não importa. O banho de sangue foi lindo e o grupo vai ficando cada vez menor. Por algum motivo, fiquei esperando que Amy pedisse à irmã que lhe desse um tiro na cabeça, mas ela apenas morreu calada. Já a morte do marido de Carol foi bem vinda. Já basta as pessoas terem que se preocupar com mortos-vivos, afinal de contas. O sonho de Jim continua intrigante. Ele foi fundamental para criar a atmosfera de expectativa e medo, como se sua loucura anunciasse o que estava por vir.

Outra história bem conduzida foi a do resgate de Merle. Ele pode não estar presente no episódio, mas é impossível não sentir sua presença. A revelação de que Glenn era apenas um entregador de pizzas é um perfeito exemplo para mostrar que é nas horas mais difíceis que realmente podemos conhecer as pessoas. Numa situação normal, ele jamais seria ouvido, mas está numa posição de estrategista do grupo. O mesmo acontece em relação aos Vatos. Enfermeiros de idosos disfarçados de gang latina, tomando o controle e liderando um grupo simplesmente porque ninguém mais quis fazê-lo.

Rick é outro que continua despontando com o líder. Mal ficou no acampamento e já ganhou mais respeito do que Shane, em meses no comando. Aliás, as caras de dor de cotovelo de Shane em relação a isso são óbvias. Com certeza essa é uma amizade que não irá sobreviver por muito mais tempo.
Comentários
6 Comentários

6 comentários:

Rodrigo Otávio disse...

Acho os personagens bem inspirados nos de Lost. Ainda mais agora que surgiu o Desmond da série: Jim.

Lu VC disse...

Tava lendo seu review da semana passada. Povo estranho, né? Mimimi com The Walking Dead é o fim.
Eu não consigo apontar um coisa ruim da série. Até agora td q foi "prometido" aconteceu. Sem contar q a cada ep q passa eu gosto mais do elenco q foi escolhido pra série. Não vou nem falar no roteiro, fotografia, trilha sonora, etc. Td ótimo, pelo menos por enquanto. Enfim, a série está redondinha.

bjoss
bjoss

Camila8liveira disse...

Camis, estou igual você, até agora The Walking Dead só me agradou.

Reviravolta interessante a que aconteceu com a história do outro grupo de pessoas. Jurava que seriam todos mortos pelo Rick e companhia e fiquei muito surpresa ao saber da história deles, assim como também por ter conhecimento de que existem outras pessoas ainda vivendo em Atlanta.

Muito curiosa para saber o que aconteceu com o Merle e achei excelente ele não ter aparecido, pois, de fato, dava para sentir a presença dele e um pouco de expectativa ajuda a tornar as coisas mais interessantes. Em alguns comentários que li, os fãs cogitavam que o Merle poderia estar por trás do ataque ao acampamento, mas não acho que isso tenha acontecido, pelo menos não intencionalmente, afinal o irmão dele também vive no acampamento. Achei bem feito para o babaca que espancava a esposa, mas morri de dó da Amy. Confesso que fiquei esperando pelo momento que ela virasse zumbi e atacasse a irmã... Ainda bem que não aconteceu.

Anônimo disse...

The Walking Dead é uma das 3 séries novas que são incrivelmente bem feitas.
Mesmo com uns possíveis furos de roteiro (como todo episódio tem furos, tou passando a achar que devem explicar isso depois) como o de mostrar eles colocando "alarmes" anti-zumbis no acampamento e nada sendo alarmado no ataque.

Vai ser uma boa disputa com Bwalk Emp pelos Emmys esse ano.

Tarso disse...

Espero que The walking Dead siga o exemplo de Battlestar Gallactica.

Lá sempre existia a iminência de eu ataque Cylon, mas fizeram vários (e ótimos) episódios onde o principal era a simplemente a interação do grupo de sobreviventes.
Se Walking Dead conseguir fazer isso sem cair na mesmice, será ótimo.

Tarso disse...

Espero que The walking Dead siga o exemplo de Battlestar Gallactica.

Lá sempre existia a iminência de eu ataque Cylon, mas fizeram vários (e ótimos) episódios onde o principal era a simplemente a interação do grupo de sobreviventes.
Se Walking Dead conseguir fazer isso sem cair na mesmice, será ótimo.