segunda-feira, 13 de setembro de 2010

True Blood 3x12 (Season Finale): Evil Is Going On


Encerrando com muita LUZ uma temporada que dividiu opiniões, Allan Ball foi muito além dos livros e nos traz uma nova criatura bizarra: o xiita de True Blood.

Você pode nunca ter visto um vampiro pessoalmente, deixado passar despercebido algum transmorfo que passou latindo pela rua, ignorado a presença de um lobisomem ou homem-gato e até acreditado que as bruxas todas já foram queimadas vivas e não sobrou umazinha para pra te fazer aquele chá de calcinha e arrumar o bofe de volta em até três dias. No entanto, estou certa de que você já cruzou com essa nova criatura que transcende os limites do imaginário e passou a habitar entre os humanos. Digo mais. Talvez você seja um xiita de True Blood e não saiba, pois é característica da raça não saber que faz parte dela.

Resolvi começar desse modo, porque, de fato, essa foi a grande descoberta da temporada. Há pessoas que gostam tanto de True Blood que dariam, literalmente, o sangue e a sanidade por ela. Por muito tempo eu achei que fosse assim. Hoje, eu sei que não.

Sou incapaz de dizer que essa foi “a melhor temporada ever” ou que “vimos um grande aprofundamento psicológico dos personagens”. Pra mim, pessoalmente, isso é balela, mas eu respeito, ou melhor, eu aceito que outras pessoas pensem assim.

Honestamente falando, acho que tivemos altos e baixos. Episódios bons e ruins. Acertos e falhas. Talvez eu seja tão crítica em relação à série porque ela foi, até agora, do mais altíssimo nível de qualidade em todos os quesitos. Dessa vez, não gostei da trama lenta demais e com poucos acontecimentos relevantes.

A Season Finale, tão esperada, foi exatamente assim. Vagarosa e com pouco a acrescentar, embora com alguns momentos imbuídos de muita canalhice, o que considero excelente. No fim das contas a Luz e a Terra Iluminada das (sa) Fadas se mostraram um dos pontos altos da temporada. Eu não acreditava nessa história, mas não posso deixar de louvar os esforços iluminativos da trama, que trouxe um candelabro gigantesco para mostrar que ninguém está economizando na conta de eletricidade. Então Sookie começou a perceber que é um “cachimbo de crack” ambulante e que entre Bill e Eric é melhor dar uns pegas no Alcide, a carne fresca do pedaço, pra dar uma variada no cardápio. Acho que viver só de vampiro enjoa o paladar. Ana Paquin deu show de canastrice de primeiríssima qualidade. Imitações de Bill, Jason, o momento em constata ser uma (sa) Fada e até a risada maléfica dessa Finale, enquanto jogava no triturador todo o conteúdo da compota da princesa Talbot. Impossível não apreciar a poesia desse momento. Gostei ainda do rumo dela na série. Estava na hora de saber que Bill é só um careca aproveitador. Quanto a Eric, tenho que dizer que esse homem é lindo até coberto de cimento.

Aposto que muita gente curtiu Godric, o fantasminha camarada, mas sei lá. No meio de tanta coisa estranha será que ainda precisamos de um clã de fantasmas para assombrar os episódios? Fiquei ainda chocada com o tamanho da tosqueira que foi o momento da luta entre Bill e a rainha viúva. Tomara que ela sobreviva e ele não.

Outro momento memorável veio de Tara, que fez a saída do armário de Sam bem hilária, afinal, não é todo dia que o cara com quem você dormiu revela que é um cachorro. Contudo, o momento a La Felicity foi o ápice. Quem não viu a cena clássica da série de JJ Abrams pode se contentar em lembrar de Camila, tosando as madeixas por causa do câncer na novela das oito. Taí. Uma semelhança para guardar, unindo JJ, Ball e Manoel Carlos para todo o sempre. Se isso é bom ou ruim, fica por conta de cada um.

Lafayette e a descoberta de que o menino Jesus é bruxo não eram novidade alguma, certo? Nem vou comentar além disso. Sam mostrando que é capaz de atirar no próprio irmão, idem.

Uma das piores coisas foi ver Jason virando babá de gato gigante. Vai ter que usar muita água e sabão pra tirar o encardido daquela gente. Como sempre, o momento ternurinha é de Jessica e Hoytt. Casal querido por todos e protegido de qualquer comentário maléfico da minha parte.

E para quem “temia” a suposta morte de Russel, eu bem que avisei. Era tão óbvio que ele não ia morrer. Saber que nosso amado Rei Ronaldo Ésper vai ter que emergir do concreto para sua vingança é algo que definitivamente me anima e dá esperanças.

Os lobisomens foram quase esquecidos. Isso porque essa era, supostamente, a temporada deles. Esse é aquele momento em que peço a reflexão de todos. Parem e pensem onde cada uma dessas histórias se encaixa. Jason tem a ver com o que? Tara tem a ver com o que? Sam? Jessica e Hoytt? Lafayette e o menino Jesus? Arlene? Não existe a menor conexão entre essas histórias paralelas e aleatórias ao núcleo principal. Aliás, elas não se encaixam nem mesmo em Bom Temps. Fica a sensação de que fizeram um monte de coisas soltas só para não deixar o elenco coadjuvante sem aparecer.

A única trama relacionada era a de Bill, Sookie, Eric e Russell e, ainda assim, a busca pelo sangue milagroso e alucinógeno das (sa) Fadas não é exatamente algo que faça valer a temporada.

Diferente de outros anos da série, não tivemos um cliffhanger forte para terminar e ninguém aí deve estar se corroendo de curiosidade para saber o que vem depois. Não vejam isso como uma crítica, é algo bom. Sinal de que toda essa pasmaceira pode e deve ficar no passado e que ano que vem, True Blood recomeça praticamente do zero. Que venham novos plots e novos personagens, cada vez mais bizarros.

Comentários
18 Comentários

18 comentários:

Marcus disse...

Achei esse final bem fraco. Juro que não me importo com Sookie no mundo das fadas, e quero que metade do elenco coadjuvante morra, porque eles não servem mais pra nada.
Esse final foi condizente com essa temporada, tudo desconexo, meio monótono, e o destaque foi pra quem já se destacava antes: o Russel. Espero mesmo que ele retorne.
Completamente tosca a aparição do Godric, Jason com uma história completamente nada a ver, Jessica e Pam subaproveitadas, uma pena.
E pra que serviu aquele retorno do Alcide, minha gente? Só pra mostrar que todos os seres bizarros sem apaixonam pela Sookie?

LeuMarktt disse...

Fiquei um pouco decepcionado... esperava bem mais... e ñ tenho medo de afirmar que na minha opinião foi a season finale mais fraca da série. A impressão que ficou é que nada mudou, a temporada acabou e tudo na mesma...

Johnny disse...

Tá bom,agora a pessoa não pode gostar de True Blood e achar uma que ela é uma puta serie eu sou xiita...Tá bom então......

Eu só quero que me digam que serie do genero é melhor que True Blood no momento...Vampire Diaries....NOT!!!!

Falando do episodio,realmente não teve cara de season finale ,mais diferentemente de outras series adoradas pela critica(lost)eles pelo menos deixaram um caminho cimentado para fazerem mais uma otima temporada ano que vem...... pelo menos para mim deu um gosto de quero mais no final do capitulo.

Andrei disse...

Ficava olhando no relógio toda hora pra ver se já tava acabando ou não pq tava esperando algo mais...não costumo criar expectativas pq elas nunca são atendida mas essa finale foi dificil, tanto que antes do episódio eu ja estava com medo de não ser algo mto bom.
Pelo menos foi mostrado o lado ruim do Bill que ele só é um interesseiro.Bem que o Eric que poderia ter jogado ele pra virar concreto.
Tenho muito amor pela Jéssica e adorei ela na casa com o Hoyt...só não entendi o vudu, a bonequinha negra, ou sei lá o que era aquilo.
E foi ridicula essa coisa de luta do Bill e da Rainha.Do elenco de coadjuvantes a unica parte que gostei foi do Jason...quem ia imaginar na primeira temporada que ele ia acabar sendo padrinho de comunidade carente?
Bom, pelo menos Russel não morreu...se o Eric conseguiu sair do concreto, quem sabe o Russel também consiga não é?
Um ultimo comentário: a Tara ficou parecendo uma poodle que minha tia tem.

E que na próxima temporada, as bruxas venham com tudo!Que a magia aumente o nível da temporada.

diogp disse...

Camis, esse episodio foi mto chato, não aconteceu nada. Fica a conclusão que a tempoarda foi horrivel (na minha opinião) com excessão de algumas bizarrices que me fez rir. Ainda bem que acabou se tivesse mais alguns episodios provavelmente eu ia largar.

Anônimo disse...

Muito boa a exposição que o Marcus fez.
Esta temporada foi sofrível, para mim, a mais fraca de todas.
O que virá pela frente? Não imagino, mas espero que pelo menos seja 10% melhor.

Doug disse...

Mas Camis, a série cumpriu o que prometeu. Envolveu, entreteu e consiguiu dar coesão ao enredo. Logicamente eles não explicam tudo, senão nao teriam mais temporadas. Particularmente prefiro as tramas paralelas separadas. Imagina se todo o elenco tivesse a mesma missão. O problema de True Blood é o elenco que é imenso mas esse problema é da primeira temporada. Para que cada um tenha algo que fazer é meio difícil, por isso as vezes uma trama é menos trabalhada (Jéssica que o diga). Querer que todos os storylines sejam bons é demais. Assim como tem atores ou personagens que cada um se identifica mais ou menos. Por mais que eu não consiga ver razão nenhuma da existência do Eric, do Jason, do Andy ou do Lafayette por exemplo, não acredito que eles não possam ter o direito a continuar habitando a série.
Por fim acredito que sim a série teve episódios bons e ruins, erros e acertos, mas que ela evolui com relação as anteriores, para mim ao menos não tenho dúvida. Quanto as críticas que depois do final virão é normal (é a clássica síndrome de Lost). Se fosse para agradar todo mundo nunca conseguiriam. Pra mim valeu a pena assistir a esses doze episódios e que venha a próxima temporada.

Anônimo disse...

O saldo dessa season finale foi muito fraco o alan ball e seus roteiristas estão mais preucopados em criar tramas para próxima temporada(não que seja uma coisa ruim)mais tinha que de terminar essa temporada com qualidade foi o que não aconteceu.
A mesma coisa aconteceu da 2°para a 3° temporada quando mataram a maryann antes dos 30 minutos do episódio e ficou naquele historinha de felizes para sempre até que o bill foi sequestrado.

Mari Bisonti disse...

Sempre comentei que apesar da lentidão, True Blood me divertia demais para eu reclamar e eu realmente acreditava que a história ia andar, mas toda a diversão e momentos trash não foram o suficiente. Pelo menos no Season Finale eu esperava aquela coisa de ficar comendo a pelinha do dedo, sabe..Coisa que acontece em todos os episódios de Dexter. Mas a temporada não foi ruim, só não esteve ao nível da série.
Espero e acredito que a próxima temporada melhore bastante, como você disse, vai meio que começar do zero, e uma hora o Rei Ronaldo Esper retornará. As tramas aleatórias foram tédio total, menos Jessica e Hoyt que são fofos demais, espero que recebam o destaque que merecem na quarta temporada. Jason vai virar o Charlie e cuidar da (que seja o coletivo de pantera) e Tara foi umas das que mais evoluiu na temporada, chega de mimimi.

É isso.. quero ver suas reviews de Being Erica, hein?!

Ian disse...

Achei engraçado.
Achei chatinho.
Achei previsível.
Achei tosco.
Achei Sítio do Pica-pau Amarelo.
Mas sou brasileiro e não desisto nunca.
Aliás, desisto. Desisto quando virar Heroes.
Até lá, sigo curtindo a comédia involuntária que True Blood se tornou.
E cheio das esperança.

Diogo disse...

Sabe, foi ruim mesmo. Não chega perto das outras temporadas, o como disseram, eles ficaram mais preocupados em construir terreno pras próximas temporadas do que com essa temporada mesmo. Até podiam ter feito isso, desde que a trama dessa temporada fosse no mínimo interessante aa ponto de se sustentar, o que não foi.
Mas uma coisa não posso deichar de comentar, essa temporada foi a mais TRASH ever, e isso, a meu ver é um ponto positivissimo, adoro quando True Blood abraça seu lado trash. Nunca vou esquecer do sexo da cabeça em 180 graus, da Tara esmagando miolos, do Russel arrancando a coluna vertebral de um jornalista em rede nacional, e por último, Russel torrado, ugh, muito nojento. Ainda tem as fadas, que é a parte delicada do Trash, que de tão sem noção é bom, sabe, tipo quando aparece a donsela de camisola correndo em busca do seu amor (1 temporada feelings)... esse tipo de coisa.

Diogo disse...

Sabe, foi ruim mesmo. Não chega perto das outras temporadas, o como disseram, eles ficaram mais preocupados em construir terreno pras próximas temporadas do que com essa temporada mesmo. Até podiam ter feito isso, desde que a trama dessa temporada fosse no mínimo interessante aa ponto de se sustentar, o que não foi.
Mas uma coisa não posso deichar de comentar, essa temporada foi a mais TRASH ever, e isso, a meu ver é um ponto positivissimo, adoro quando True Blood abraça seu lado trash. Nunca vou esquecer do sexo da cabeça em 180 graus, da Tara esmagando miolos, do Russel arrancando a coluna vertebral de um jornalista em rede nacional, e por último, Russel torrado, ugh, muito nojento. Ainda tem as fadas, que é a parte delicada do Trash, que de tão sem noção é bom, sabe, tipo quando aparece a donsela de camisola correndo em busca do seu amor (1 temporada feelings)... esse tipo de coisa.

Mari Bisonti disse...

Só mais uma coisa...
O Eric ficou MAIS GATO cheio de cimento.!

Adriana2402 disse...

Tara(da) e Taís Araújo usam Elseve Hidra-Max da Loreal Paris: redução de volume, cachos definidos e flexíveis.
Depois de três temporadas balançando as tranças ela me aparece com aquele cabelo. Adoro True Blood pelos seus efeitos especiais.

João Paulo disse...

Enquanto isso, no lustre do castelo, Sookie encontra a nave-mãe, que por sinal estava estacionada no castelo Rá-tim-bum. A vergonha alheia foi grande, muito grande. Porém nada supera a cena final do Bill e da Rainha. Trash é bom, tosco não. Perderam a mão aqui, ficou no nível de Os Mutantes, Caminhos do Coração. Preocupante.

Aliás, quem deixou a porta da colônia Nosso Lar aberta? Godric praticamente virou uma Barbie: teve a versão soldadinho de chumbo, versão magia da natureza e outras. E agora tem o Godric Espírito dos Céus. Aliás, ele de desfez em purpurina em segundos ao encontrar a luz, enquanto Eric e Rei Ronaldo Ésper estavam se transformando em carvão, estranho...

Se juntar aquilo que prestou da temporada não dá dois episódios. Certamente o sucesso fez Alan Ball diluir a história pra render a história dos livros, já que como foi visto o forte dele não é criação, é adaptação. Roteirista não é escritor e vice-versa.

Num geral o episódio se arrastou, não via a hora de acabar, acabar em nada diga-se de passagem.

Diogo disse...

Bem, Alan ball criou Beleza Americana, criou Six Feet Under... mas ao contrário do que vc disse, acho que ele perdeu a mão foi na sua adaptação de True Blood, pelo menos nessa temporada (não li os livros, então nem isso eu posso falar de verdade, mas a temporada foi, decepcionante).

Doug disse...

Mas Camis, a série cumpriu o que prometeu. Envolveu, entreteu e consiguiu dar coesão ao enredo. Logicamente eles não explicam tudo, senão nao teriam mais temporadas. Particularmente prefiro as tramas paralelas separadas. Imagina se todo o elenco tivesse a mesma missão. O problema de True Blood é o elenco que é imenso mas esse problema é da primeira temporada. Para que cada um tenha algo que fazer é meio difícil, por isso as vezes uma trama é menos trabalhada (Jéssica que o diga). Querer que todos os storylines sejam bons é demais. Assim como tem atores ou personagens que cada um se identifica mais ou menos. Por mais que eu não consiga ver razão nenhuma da existência do Eric, do Jason, do Andy ou do Lafayette por exemplo, não acredito que eles não possam ter o direito a continuar habitando a série.
Por fim acredito que sim a série teve episódios bons e ruins, erros e acertos, mas que ela evolui com relação as anteriores, para mim ao menos não tenho dúvida. Quanto as críticas que depois do final virão é normal (é a clássica síndrome de Lost). Se fosse para agradar todo mundo nunca conseguiriam. Pra mim valeu a pena assistir a esses doze episódios e que venha a próxima temporada.

Andrei disse...

Ficava olhando no relógio toda hora pra ver se já tava acabando ou não pq tava esperando algo mais...não costumo criar expectativas pq elas nunca são atendida mas essa finale foi dificil, tanto que antes do episódio eu ja estava com medo de não ser algo mto bom.
Pelo menos foi mostrado o lado ruim do Bill que ele só é um interesseiro.Bem que o Eric que poderia ter jogado ele pra virar concreto.
Tenho muito amor pela Jéssica e adorei ela na casa com o Hoyt...só não entendi o vudu, a bonequinha negra, ou sei lá o que era aquilo.
E foi ridicula essa coisa de luta do Bill e da Rainha.Do elenco de coadjuvantes a unica parte que gostei foi do Jason...quem ia imaginar na primeira temporada que ele ia acabar sendo padrinho de comunidade carente?
Bom, pelo menos Russel não morreu...se o Eric conseguiu sair do concreto, quem sabe o Russel também consiga não é?
Um ultimo comentário: a Tara ficou parecendo uma poodle que minha tia tem.

E que na próxima temporada, as bruxas venham com tudo!Que a magia aumente o nível da temporada.